Volta ao trabalho e a ordenha…no banheiro

Por Giovanna Balogh

Que mãe quando volta a trabalhar não se depara com ‘n’ angústias, dúvidas e tristezas ao ficar longe de seu recém-nascido. E uma dessas questões a ser resolvida na volta é a ordenha para quem vai continuar amamentando.

O Ministério da Saúde recomenda o aleitamento exclusivo até os seis meses e seguir com a amamentação com até os dois anos ou mais do bebê. Mas, como continuar se a licença maternidade da maioria acaba após quatro meses e as empresas não oferecem um cantinho adequado para as mamães? Será que todos os funcionários de RH são homens e nunca passaram por isso? Ou são mães que só abastecem seus filhos com leite de fórmula?

Em 2010, o Ministério da Saúde e a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) regulamentaram a implementação das salas de apoio à amamentação nas empresas. Mas, levanta o mouse quem conhece algum local que oferece esse benefício? Existem, mas são raras.

A sala, é claro, não exige uma estrutura complexa e, por isso, a manutenção do espaço é de baixo custo. Uma poltrona, tomadas, uma pia e sabonete para higienizar as mãos e, é claro, uma geladeira para armazenar esse leite. Mais nada! É tão difícil assim? E o benefício e o conforto que traz para a mulher ter esse cantinho? É comprovado que a criança amamentada pelo leite materno fica menos doente, ou seja, essa trabalhadora não vai faltar com tanta frequência. Vale ou não esse investimento?

A consultora de amamentação e fundadora do Matrice (grupo de mães que faz reuniões e orienta sobre a importância da amamentação), Fabíola Cassab, 36, explica que boa parte das mães que tiram o leite materno para oferecer aos seus bebês fazem isso até a criança completar um ano de idade. “O leite materno é o alimento mais completo que existe para o bebê. Nos primeiros seis meses, ele contém tudo o que o bebê precisa, até mesmo água. As mães não precisam oferecer nenhum outro tipo de alimento neste período.” Após os seis meses, diz a consultora, começam a ser introduzidos os alimentos na vida da criança junto com o leite materno.

Após a criança completar um ano, a mãe pode continuar com a amamentação quando estiver com o seu bebê e optar por servir outros alimentos, como frutas e  sucos,  no período que não pode estar presente.

Recomendação do Ministério da Saúde é dar exclusivamente o leite materno até os seis meses do bebê

 

A consultora de amamentação também ressalta que não há uma quantidade certa para deixar para cada mamada, pois vai depender da idade de cada bebê.  “Recomendamos armazenar em potes pequenos, de 60 ml, para que não haja desperdício”. Fabíola explica que as empresas interessadas em montar uma sala de apoio à amamentação podem procurar informações com o Ministério da Saúde que fornecerá todas as recomendações para criar esse espaço com higiene e conforto para as mamães trabalhadoras.

Quem já esteve ‘plugada’ com as bombas elétricas ou manuais sabe como é difícil e cansativa essa tarefa de esterilizar potinhos, ordenhar, transportar potinhos, etiquetar, congelar. A situação é ainda mais complicada quando não tem esse cantinho reservado. O ideal, é claro, não é tirar leite no banheiro, afinal, tem lugar mais cheio de bactérias do que esse recinto? Mas, é o que sobra para a grande parte das mães que trabalham.

O jeito é improvisar. Extensão na mão, bomba e lá vamos nós. Zum, zum, zum e o leitinho milagroso vai saindo da bomba. Que alívio quando dá para encher vários potes e fazer um belo estoque em casa. O duro é sair da ‘casinha’ do banheiro e a mulherada do ‘serviço’ te olhar com um ar de ‘repreensão’ como se tivesse fazendo algo errado. “Não, não, não estava com um vibrador ligado à tomada. Era uma bomba elétrica”. Juro que queria gritar isso a cada olhada torta que recebia. Será que essa mulherada nunca passou por isso? Ou não imagina passar um dia?

Amamentar o máximo possível sempre foi minha prioridade _ consegui até 11 meses do mais velho _ e pretendo conseguir ainda mais do caçula já que hoje fico menos horas longe dele e tenho um trabalho bem menos estressante. Amamentar é prazeroso demais, é divino!

Seguem algumas dicas de como cuidar do leite materno e como aquecê-lo:

CUIDADOS COM O ARMAZENAMENTO DO LEITE MATERNO

O frasco onde o leite será armazenado deve ser lavado com água e sabão e fervido por 20 minutos

O leite pode ser armazenado na geladeira por um período de apenas 24 horas antes de ser consumido. Não armazena na porta da geladeira, mas em local mais fundo para deixar longe de alimentos com cheiro que o leite materno possa absorver

O leite materno pode ser congelado por até 15 dias.  Prefira os frascos de vidro com tampa plástica. Importante: o leite só pode ficar na temperatura ambiente por, no máximo, 30 minutos.  Ao transportar da empresa até a escola do filho, por exemplo, leve sempre em bolsas térmicas com gelo.

Para aquecer o leite materno use apenas o banho maria. Quando começar a formar as bolhinhas na panela, desligue o fogo e coloque os frascos. Para o leite refrigerado, deixe de 3 a 5 minutos e, para o congelado, de 10 a 15 minutos.

 COMO OFERECER O LEITE MATERNO AO BEBÊ

Não utilize mamadeiras convencionais pois o bebê pode ingerir uma grande quantidade e, por ser mais fácil de sugar, poderá deixar de mamar no peito

Existem opções para servir o leite como copo dosador,  copo de treinamento (para bebês acima de 4 meses) e  colher com ponta de silicone – conta gotas

ENCONTROS DA MATRICE

Todas as sextas-feiras, das 13h30 às 15h30 na Casa do Brincar (rua Ferreira de Araújo, 388 , em Pinheiros, em SP). A entrada é gratuita. Mais informações no site www.matrice.wordpress.com