Não obrigue seu filho a tirar foto e a gostar do Papai Noel

Por Giovanna Balogh
Criança chora ao ser colocada perto de Papai Noel (Foto: Norm Dettlaff/AP Photo)
Criança chora ao ser colocada perto de Papai Noel (Foto: Norm Dettlaff/AP Photo)

Chega final do ano e boa parte dos pais quer uma clássica foto do filho com o Papai Noel. Mas, após enfrentar uma fila imensa no shopping para então ficar perto do tal personagem a criança abre o maior berreiro. A cena é muito comum e a recomendação de psicólogos é não forçar a criança pois para seu filho aquela é uma figura estranha. Sim, apesar de ver na TV, nas ruas, aquele homem não frequenta a sua casa, não é seu avô nem amigo do papai e da mamãe.

“Que sentido faz para um adulto querer ter a foto do seu filho no colo de uma pessoa estranha vestida com roupas de inverno em pleno verão?”, questiona a psicóloga e educadora Jolie Hanna Luba, 43.  Ela explica que muitas vezes as crianças, principalmente as que são um pouco maiores, acabam posando ao lado do bom velhinho para agradar nós, adultos. “Quando o adulto faz questão que alguma coisa aconteça. Ele está dando uma mensagem de que aquilo é importante para ele. A criança tem um desejo inerente de agradar o adulto e vai se comportar para tal”, afirma.

A psicopedagoga Maíra Scombatti, 34, acredita que os pais devem tratar com naturalidade a figura natalina de acordo com as crenças e formas de viver de cada família. “Mesmo sem ‘apresentar’ a figura do Papai Noel em casa, a criança um dia vai ter esse contato e os pais devem estar preparados para esse momento e para as perguntas que virão”, diz. Para ela, se a criança esboçar medo ao ter contato com o bom velhinho, ela deve se afastar e os pais explicarem que é um personagem, como o das histórias de livros.

Jolie orienta os pais a pensar na sua infância para ver se desejam fazer igual ou diferente. Se os pais quiserem, podem simplesmente eliminar da casa a figura do Papai Noel.  “A casa é sua e você tem o direito de cozinhar a porcaria que quiser comer ou a dieta mais saudável do universo, não é? Então, porque com o Papai Noel tem que ser como todo mundo faz?”, questiona. Para a psicóloga, também não há problema algum para os pais que querem seguir as tradições de fim de ano com direito a parente vestido de Papai Noel com um saco cheio de presentes.

Maíra conta que não ‘apresentou’ o Papai Noel aos filhos Theo, 4, e Ian, 1, mas não proibiu a família de fazer isso. “Theo outro dia fez a fatídica pergunta: ‘mamãe, Papai Noel existe?’. Na hora a resposta que me veio foi outra pergunta: ‘você quer que ele exista?’. E como ele respondeu que sim, eu disse que enquanto ele quiser, ele vai existir”, comenta. A psicopedagoga disse que ficou esperando mais perguntas e pedidos de presentes, mas que eles não vieram.

Outra atitude que é muito comum entre os pais e que não é a mais correta é ‘ameaçar’ a criança. “Se você não comer, o Papai Noel não vai te dar presente”, “se não obedecer, o Papai Noel não vai te visitar”, diz Jolie. As crianças frequentemente testam o comportamento dos adultos e para a psicóloga, ao apelar para o Papai Noel mostramos que não temos comando algum. “Se é hora de tomar banho, fale que é agora é hora do banho e esteja determinado de que é isso é importante naquela hora”, orienta.

Para Maíra, a ‘chantagem’ com a figura do Papai Noel é ainda mais complicada pois uma hora a criança vai crescer e descobrir que ele não existe. “Quando essa descoberta acontece depois de uma experiência lúdica e amorosa, ela pode ser tranquila, mas quando há chantagem envolvida,  o risco de a criança se sentir desrespeitada é grande”.

Em casa as crianças acreditam no Papai Noel, mas não topam tirar foto nem chegar perto do bom velhinho. E com os seus filhos, como funciona essa relação com o Papai Noel?