20 dicas para escolher a creche ou escolinha ideal para o seu filho

Por Giovanna Balogh
Crianças fazem atividade com massinhas em escola
Crianças fazem atividade com massinhas em escola (Foto: Rodrigo Capote – 04.nov.2010/Folhapress)

A hora de voltar ao trabalho e escolher uma creche ou escolinha para deixar o bebê ou o filho pequeno é um dos momentos mais difíceis para uma mãe. São muitos itens que os pais precisam observar na hora de escolher o melhor lugar para deixar seus filhos.

Para os bebês, é importante questionar se é possível levar o leite materno congelado para ser servido ao bebê e, é claro, como ele será armazenado, aquecido e servido pelas educadoras. Já para os bebês com mais de seis meses e crianças maiorzinhas, é importante observar o tipo de alimentação que é servida no local, ou seja, se oferecem frutas, sucos naturais e deixam de fora alimentos nada saudáveis como salsichas, refrigerantes, doces, entre outros itens que não devem fazer parte do cardápio dos pequenos.

Antes de escolher a escolinha, os pais também devem observar a higiene do espaço, ou seja, visitar a cozinha e analisar itens básicos de limpeza como, por exemplo, o uso de touca por parte das funcionárias do setor e os cuidados que tomam ao manusear e servir os alimentos. Muitas escolas estão agora nas férias de julho, mas estão com as matrículas abertas para novos alunos. Então, o Maternar fez uma lista com os 20 principais tópicos que devem ser observados na visita das escolinhas. Confira a seguir:

  1. Alimentação. Ideal é visitar as escolas nas horas das refeições para ver como o alimento é servido, se a alimentação é saudável. Dê preferência para escolas que contam com nutricionistas no preparo do cardápio. Ficar atento se é preciso levar ‘lanchinho’ ou pagar taxas extras ou se está tudo incluso.
  2. Leite materno. Questionar se a escola aceita levar o leite materno. Se os pais não querem que o filho use mamadeira que pode causar confusão de bicos e o bebê largar o seio materno, podem optar que o leite seja servido, por exemplo, em copinho. Importante saber se a escola também aquece o leite materno em banho-maria. Algumas escolas oferecem o ‘cantinho da mamãe’ para aquelas que podem ir na hora do almoço, por exemplo, amamentar o bebê.
  3.  Número de cuidadores por bebê. Não há uma regra de quantos cuidadores podem cuidar de um bebê, mas vale o bom senso dos pais ao observar o berçário e como as cuidadoras lidam com o número de crianças.   Segundo o Conselho Nacional de Educação, cada um deve cuidar, no máximo, de seis a oito crianças de até 2 anos, de 15 crianças até 3 anos e de 20 crianças de 4 até 6 anos.
  4. Formação dos cuidadores. Vale questionar se as cuidadoras têm pedagogia, se tem cursos de primeiro-socorro e qual é a proposta pedagógica da unidade.
  5. Choro do bebê. Pais devem observar e questionar se os cuidadores acolhem o bebê no colo ou se deixam ele chorando sozinho no berço ou na cadeirinha de balanço.
  6. Horário da soneca. O horário da soneca é igual para todos ou permitem que o bebê durma o quanto quiser? Principalmente para os pequenos, é importante manter a rotina do sono que têm em casa.
  7.  Atividades propostas. Perguntar qual a proposta pedagógica da escola, quais são as principais atividades para cada faixa etária, quais os brinquedos que ficam à disposição dos pequenos. Para os maiores, ver se há cursos como inglês, música, judô, natação, balé estão inclusos.
  8.  Uso da TV para distrair as crianças. A medida não deve ser usada, principalmente, para crianças menores de dois anos. Ideal é buscar escolas que tenham propostas de brincadeiras e atividades lúdicas para bebês e crianças.
  9. Banheiro. Os banheiros tem vasos sanitários pequenos para as crianças? Como é feito o desfralde e a partir de que idade. Ideal é que a escola, assim como os pais, respeite o tempo da criança.
  10.  Sistema de troca de fraldas e banho. Importante observar se as funcionárias usam materiais descartáveis, se usam luvas na troca de fraldas e se a troca de fraldas é feita com algodão ou lenços umedecidos. Observar se a escola pede para cada bebê levar a própria banheira ou se optam em forrar a da escola com material descartável. Questionar também se o banho é dado a cada vez que o bebê faz cocô.
  11.  Berço individual. O ideal é que cada criança tenha seu berço para a soneca com a sua própria roupa de cama. Se isso não é possível, o lençol deve ser trocado para que cada criança tenha o seu.
  12.  Banho de sol. Checar se a escola tem espaço para banho de sol e que o horário ele acontece. De manhã, ele deve ser até as 10h ou de tarde após as 16h.
  13. Uniforme. A partir de que idade é obrigatório, onde adquirir, valores.
  14. Piscinas, escadas, parquinho com balanças. Se existirem na escola, observar quais são os procedimentos de segurança para que as crianças não tenham livre acesso a locais perigosos. Observar se o parquinho está em bom estado de conservação.

    Pais precisam observar a condição de conservação dos brinquedos (Foto: Rodrigo Capote - 04.nov.2010/Folhapress)
    Pais precisam observar a condição de conservação dos brinquedos (Foto: Rodrigo Capote – 04.nov.2010/Folhapress)
  15.  Crianças doentes ou machucadas. Questionar se a escola medica ou liga para os pais antes para saber quais medicamentos ela pode tomar ou se eles preferem busca-la. Perguntar também os procedimentos adotados em caso de emergência, como engasgamento, queda grave, convulsão. Observar se a escola exige a caderneta de vacinação já que há pais que optam em não vacinar seus filhos
  16.  Controle de entrada e identificação de pessoas. Importante observar como funciona a portaria da unidade.  Qualquer pessoa pode entrar e buscar a criança? Como é feita a identificação dos responsáveis.  Questionar a direção se os pais podem entrar a hora que quiserem na unidade e se há flexibilização de horário, ou seja, se pode buscar o filho mais cedo ou mais tarde.
  17.  Férias e feriados. Escola emenda todos os feriados? Como funciona nas férias de julho e janeiro? Verificar o calendário escolar para verificar como adaptar os dias de funcionamento da escola com os seus no trabalho.
  18. Valores e taxas extras. Os pais devem questionar os valores não só das mensalidades, mas de taxas extras, como de materiais, cursos de férias, taxa de alimentação, entre outros que podem vir a ser cobrados depois.
  19. Localização da escola. Antes de bater o martelo, os pais devem escolher também a escola em um lugar de fácil acesso, ou seja, ou próximo da casa ou do trabalho deles. Dessa maneira fica mais fácil organizar a rotina da casa fora que é mais fácil chegar até a criança em caso de algum contratempo.
  20. Não existe escola perfeita. Dificilmente você vai achar uma escola que se encaixa em todos os pré-requisitos que você deseja, mas escolha aquela que tem mais a ver com a sua maneira de criar e educar seu filho, que esteja mais dentro dos seus valores. Boa sorte!

    Crianças fazem atividade com bola ao ar livre em creche de SP (Foto: Rodrigo Capote - 04.nov.2010/Folhapress)
    Crianças fazem atividade com bola ao ar livre em creche de SP (Foto: Rodrigo Capote – 04.nov.2010/Folhapress)