Pais exaustos procuram ‘encantadoras’ para organizar sono do bebê

Por FABIANA FUTEMA
A 'encantadora' Lúcia com a pequena Pietra, filha de Michelle (Foto: Arquivo Pessoal)
A ‘encantadora’ Lúcia com a pequena Pietra, filha de Michelle (Foto: Arquivo Pessoal)

Quem é que paga para outra pessoa ensinar um bebê de poucos meses (ou dias) de vida a aprender a dormir? Resposta: mães e pais exaustos. A privação do sono combinada ao cansaço e à falta de tempo para executar tarefas simples, como tomar banho e almoçar, faz com que muitos se desesperem e se sintam despreparados para o novo ritmo de vida.

E é aí que entra em ação um novo tipo de profissional: a consultora de sono, também apelidada de ‘encantadora de bebês’ –uma referência ao best seller “Segredos de Uma Encantadora de Bebês”, de Tracy Hogg.

A diretora de marketing Michelle Guimarães, 36, já tinha lido o livro antes de procurar por uma ‘encantadora de bebês’. Mas não conseguiu aplicar as regras do livro ao sono da filha Pietra, hoje com 2 anos.

 “Eu moro numa fazenda e não tinha ninguém por perto para me ajudar neste início. Ela tinha dificuldade para dormir, só dormia no colo. Estava tão cansada e desesperada que fui atrás de uma ‘encantadora de bebês”, conta Michelle.

Mas até mesmo aquelas que possuem mãe ou sogra por perto recorrem a esse tipo de consultoria. A gerente comercial Flávia, 38, que pede para manter seu sobrenome em sigilo, contratou uma ‘encantadora de bebês’, mas não contou parar ninguém da família. Esse é um segredo dela e do marido.

“Não quis contar, pois isso poderia magoar as avós, que acham que podem nos ajudar a cuidar do bebê, mas às vezes, mesmo sem querer, acabam atrapalhando e ensinando maus hábitos. E também não queria comparações entre minha filha e uma sobrinha.”

Flávia diz que se sentia sem tempo para cuidar da própria rotina, pois a filha parecia querer ficar no colo o tempo todo. “Eu jantava com ela no colo, tomava café com ela no colo. Ela não queria ficar sozinho no berço, na cadeirinha nem no carrinho.”

A professora Suzana Coelho, 39, também passou pela mesma situação com a filha Júlia, hoje com 4 meses. “Idealizava que seria algo fácil. Mas mesmo sendo uma criança muito amada e desejada, passei por momentos muito estressantes.”

O que mais a afligia era o fato de a filha não sair do peito e não dormir nada durante o dia nem à noite. E a introdução de uma rotina permitiu que a mãe pudesse voltar a organizar o próprio dia. “Sabendo o horário em que ela iria comer e dormir, também pude me organizar e voltar a ter tempo para almoçar com calma, jantar com o marido.”

As três mães buscaram na internet a solução para o problema que lhes tirava a paz naquela fase da maternidade. Elas encontraram o site da enfermeira Lúcia Wanderley, que trabalha com crianças há mais de 30 anos, e fez um curso com a própria Tracy Hogg, a mãe da técnica de encantar bebês.

Segundo as mães, a técnica de Lúcia consiste basicamente em criar uma rotina para os bebês: eles passam a ter horário para acordar, mamar, tirar soneca, passear e dormir à noite. Mas isso o livro também ensina. O que muda então?

Flávia diz que Lúcia parece fazer mágica com os bebês. “Ela transmite uma calma, uma segurança, que os acalma. Parece que eles fazem o que ela quer.”

Para Michelle, o segredo da ‘encantadora’ é saber acalmar os pais. “Ela nos faz ver que nosso filho não é diferente de ninguém, que chorar é normal e que o problema não é com o bebê.”

Suzana revela uma das dicas, que pode ser questionada por alguns pediatras, como a introdução de uma última mamada noturna reforçada. “A minha pediatra até resistiu, mas testei e minha filha passou a dormir melhor depois.”

E o que diz a própria ‘encantadora’? “Converso com o bebê, ensino a eles uma rotina. As crianças passam a ter horário para dormir, brincar, passear e comer”, diz Lúcia.

 Segundo ela, quanto antes o treinamento começar, melhor será para a família. “É possível ensinar a criança a dormir logo nos primeiros dias de vida. Quanto mais tarde, mais difícil, pois o bebê já terá incorporado alguns vícios.”

CUSTO

Não é qualquer mãe que pode bancar uma ‘encantadora de bebês’. Três dias de consultoria podem custar de R$ 2.000 a R$ 5.000, dependendo da profissional, além do gasto com o deslocamento dela até sua casa.

As três mães ouvidas pelo Maternar disseram que o investimento valeu a pena, que fariam de novo e indicariam para outra pessoa.

Lúcia diz que presta esse serviço gratuitamente para mães carentes de sua cidade, no interior do Rio. “Tem mães que não podem pagar a passagem de avião. Se for perto, vou de ônibus. Algumas usam milhas.”

Mariana Zanotto, outra ‘encantadora de bebês’, diz oferecer pacotes para os pais com preços variáveis. O custo depende da quantidade de dias e da exclusividade. No serviço de doula pós-parto, por exemplo, ela fica passa 24 horas por dia ao lado das novas mães.

E COMIGO?

Eu li o livro da ‘encantadora de bebês’ quando fiquei grávida e também não consegui aplicar a técnica ao meu dia-a-dia. Tentei criar rotinas e até afugentei visitas que chegavam no horário que eu queria estipular para o sono e soneca.

Mas não deu certo. Em parte pela minha inexperiência. A qualquer resmungada lá ia eu acudir o bebê. Em cada mamada, mesmo as noturnas, trocava a fralda com medo de a criança ficar assada _livros e coachs ensinam que é normal o bebê ter pequenos despertares e que devemos deixá-los voltarem sozinhos a dormir; e que se a criança estiver de fralda noturna e não tiver feito n° 2, não é necessário trocá-la à noite.

Outro problema foi não conseguir lidar com o choro do filho. Seguidores do método ‘Nana Nenê’ pregam que devemos deixar o bebê no berço sozinho para que ele aprenda a dormir. E que se ele chorar, devemos de tempos em tempos dar uma passadinha no quarto para mostrar que estamos presentes e lembrá-lo que chegou a hora de dormir.

Resultado dessa falta de estratégia? Meu filho tem mais de 2 anos e ainda hoje acorda no meio da madrugada para mamar.

Mas aos poucos comecei a cortar essa mamada da madrugada. E depois de conversar com a Mariana passei a adiantar a hora de levá-lo para cama. Coincidência ou não, parece que ele passou a dormir mais tempo _isso faz menos de uma semana e ainda não posso comemorar os resultados como efetivos.

A meu favor acabo de descobrir um novo livro: “Soluções Para Noites Sem Choro”, que parece se encaixar a mães que falharam com o “Nana Nenê” e “Segredos de Uma Encantadora de Bebês”. Espero ter tempo à noite para lê-lo e contar depois se funcionou.

E sim, já ouvi muita gente chamar mães que reclamam da falta de sono de folgadas. Que se pretendiam ser mães, deveriam antes saber que a tarefa é trabalhosa. Não gostei de ser julgada por isso e acho que cada um sabe da própria necessidade. Bons sonhos!