Hospital particular de SP inaugura sala para parto natural

Por FABIANA FUTEMA
Quarto  Hospital Sepaco (Divulgação)
Quarto Hospital Sepaco (Divulgação)

Especialistas em saúde pública dizem que a redução do número de cesáreas também depende de mudanças no ambiente hospitalar. Segundo a Sogesp, é preciso que as maternidades ofereçam equipes plantonistas presenciais completas 24 por dia para receber gestantes em trabalho de parto, além de contar com salas adequadas para o parto natural.

De olho na nova demanda, o hospital Sepaco, localizado na zona sul de São Paulo, acaba de instalar um quarto voltado exclusivamente para o atendimento de as grávidas que pretendem fazer parto natural.

Entre os diferenciais do quarto estão uma cama para parto natural, banheira e acomodação do acompanhante.

Segundo o superintendente-geral do Sepaco, Rafael Parri, o hospital ganhará uma segunda sala para parto natural, só que mais próxima do centro cirúrgico.

“Caso aconteça alguma complicação e seja necessário fazer uma cesárea, é bom estar perto do centro cirúrgico”, diz ele.”

Parri afirma que espera que as mudanças possam ampliar o percentual de partos normais da maternidade _hoje o percentual é de 15%.

O superintendente admite que o custo hospitalar com o parto natural é maior do que com a cesárea. “O tempo de ocupação das salas é duas, três vezes maior no parto natural do que na cesárea.”

Por outro lado, o tempo de internação da mãe é menor no parto natural: dois dias, contra três da cesárea.

Especialistas em saúde materno-infantil alertam também para os benefícios do parto normal para o bebê, que corre menos riscos de doenças respiratórias ou de precisar de internação neonatal.

Apesar das vantagens, obstetras lembram que as mulheres têm o direito de escolher a cesárea, mesmo sem indicação.