85% dos pais paulistas ajudam os filhos na lição de casa

Por FABIANA FUTEMA

Levantamento da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo indica que 85% dos pais paulistas ajudam os filhos na lição de casa. O levantamento considerou as respostas dadas por cerca de 1,2 milhão de pais de alunos participantes do Saresp (Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo) de 2013. As respostas do questionário só foram divulgadas agora.

Quanto mais inicial a série do aluno, maior a participação do pai. Entre os alunos do 2º ano do ensino fundamental, por exemplo, 92% dos pais disseram ajudar na lição de casa. Essa participação cai para 80% entre os pais dos alunos do 9% ano do ensino fundamental da rede estadual paulista.

De acordo com o levantamento, os pais também ajudam os filhos matriculados no ensino médio com a lição de casa. Para essa faixa a participação é de 71,2%.

Para os especialistas da Secretaria da Educação, todos os pais podem participar das horas de estudos dos filhos, mesmo sem saber do conteúdo.

“Acompanhar a lição de casa, checar o boletim e comparecer às reuniões são alguns hábitos que devem ser seguidos pelas famílias, independente da idade dos estudantes”, explica Ghisleine Trigo, da Coordenadoria Geral da Educação Básica da Secretaria.

Para ajudar nessa tarefa,  a Pasta elaborou um guia com sete dicas para aproximar responsáveis e alunos e melhorar o aprendizado em todos os ciclos, veja abaixo:

Incentive a fazer a lição de casa: os deveres escolares servem para fixar o conteúdo aprendido em sala de aula. Por isso, explique ao estudante que não é uma punição, mas uma das etapas do aprendizado.

. Respeito o espaço: na hora da lição em casa, é preciso reservar um lugar adequado com mesa e cadeira e sem muito barulho. Tente não interromper o momento com perguntas ou pendências externas.

. Certifique-se seu filho entendeu o que deve ser feito: o aluno por apresentar dificuldades em uma ou outra disciplina. Veja, porém, se o problema não é interpretação do enunciado.

. Acervo em casa: ao longo da vida escolar de seu filho, organize uma biblioteca com dicionários, livros didáticos de anos anteriores e publicações diversas (como revistas e jornais). Esse material deve ser consultado sem restrições.

.  Incentive-o a rever a lição: caso encontre coisas incorretas e perceba que ele tem condição de localizar o erro, estimule-o comentando. No caso de textos e redações, explique a importância de uma segunda leitura mais crítica.

. Pesquisa não é cópia: com ajuda da tecnologia, incentive o estudante a procurar verbetes ou temas na internet. Mas deixe claro que os resultados devem servir como referência e não ser apenas uma reprodução.

. Elogie os acertos e não aponte os erros: se seu filho acertou todos os exercícios da lição passada, dê os parabéns. Se os erros foram muitos, evite brigas ou castigos. Procure o professor para tirar as dúvidas e, se necessário, rever o conteúdo.