Pais não percebem quando filhos estão obesos, diz estudo

Por FABIANA FUTEMA

Os pais têm dificuldade para perceber quando seus filhos estão acima do peso. Isso é o que mostra pesquisa realizada pela Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres com pais de 2.976 crianças britânicas.

De acordo com o estudo, um terço dos pais subestima o peso do filho, ou seja, pensa que ele pesa menos do que a balança mostra.

Entre os pais de 369 crianças com excesso de peso, apenas quatro identificaram essa condição.

De acordo com o trabalho, publicado na revista British Journal of General Practice, a dificuldade para identificar o sobrepeso e obesidade infantil era maior entre pais negros, sul-asiáticos, de menor renda ou se filho era do sexo masculino.

O estudo diz que os pais passam a perceber o problema com o peso quando a criança já atingiu o percentil 99,7. O trabalho classifica como sobrepeso o percentil 85 para crianças, e obesidade o percentil 95.

“Os profissionais da área médica precisam adotar medidas para reduzir a distância entre a percepção dos pais e o peso da balança para que a família entenda os riscos do sobrepeso à saúde e adote um estilo de vida mais saudável”, disse Russell Viner, coautor do trabalho ao jornal “The Guardian”.

CRIANÇA QUE NÃO COME

A endocrinologista infantil Karina Frade diz que a maioria dos pais se preocupa mais com o fato do filho deixar de comer do que com seu sobrepeso.

“A maioria chega ao consultório dizendo: ‘esse menino não come nada, deve estar com anemia. Aí a gente faz o cálculo de massa corporal e descobre que a criança já está com sobrepeso” diz ela.

Karina diz que quanto antes os pais diagnosticarem e tratarem a obesidade ou sobrepeso da criança, melhor será.

O diagnóstico inclui exames clínicos e laboratoriais que vão investigar se a criança tem alterações hormonais, por exemplo, que interferem no ganho de peso.

Se os exames não indicarem nenhum desvio, Karina diz que é grande a chance do ganho de peso ter causas familiares. “Está comprovado que se um dos pais é obeso, a criança tem 50% de chance de ser obesa. Se os dois forem obesos, esse risco sobe para 80%.”

Outra causa, segundo ela, é a dieta alimentar da criança. “Às vezes a mãe diz que o filho não come nada. Mas o pouco que come é altamente calórico e provoca o ganho de peso.”

Segundo Karina, o tratamento inclui mudança de hábitos físicos e alimentares. “Quanto antes começar, melhor será. Criança aprende muito rápido. Deve ser estimulada a ter uma alimentação balanceada e a fazer exercícios.”

 CAMPANHA CONTRA OBESIDADE

A primeira-dama americana, Michelle Obama, dançou na tradicional festa de Páscoa da Casa Branca ao som da música Uptown Funk.

A dança ocorreu após Michelle lançar a campanha ‘Let’s Move!’ contra a obesidade infantil nos EUA. O objetivo é estimular a alimentação saudável e a prática de exercícios.