Não acredite em tudo que se compartilha na web: vacina da gripe não tem veneno mortal

Por FABIANA FUTEMA
Segundo o Ministério da Saúde, o mercúrio da vacina não é prejudicial (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)
Segundo o Ministério da Saúde, o mercúrio da vacina não é prejudicial (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

Vi algumas pessoas compartilhando um post sobre os riscos da vacina da gripe. O título do texto era bem alarmante e faria qualquer mãe vigilante sumir dos postos de saúde: ‘Veneno mortal: vacina da gripe tem mercúrio 25.000 vezes superior ao nível máximo permitido […]’.

Coincidentemente, o tema vem à tona no meio da campanha da vacinação contra a gripe, que foi prorrogada devido à baixa adesão da população. Entre o público-alvo estão as gestantes, crianças menores de 5 anos e puérperas (mulheres que tiveram filhos nos últimos 45 dias).

No Estado de São Paulo, a adesão desses dois primeiros grupos tinha ficado bem abaixo do esperado: 33,1% das crianças e 38,4% das grávidas.

Se você não acredita no efeito da vacina ou é da turma que não vacina, tudo bem, a discussão é outra. Mas não vacinar por temer a presença do mercúrio sem fazer nenhum tipo de questionamento?

Que tal perguntarmos ao Ministério da Saúde, que distribui as vacinas, sobre esse risco? “Pesquisas  científicas mais recentes indicam que as vacinas contendo timerosal, conservante à base de mercúrio utilizado há décadas para evitar a contaminação por bactérias e fungos, não são prejudiciais. Segundo a OMS, as pesquisas publicadas sobre o produto reafirmaram sua segurança para uso em vacinas”, diz nota do Ministério da Saúde enviada ao blog Maternar.

Na nota, afirma que “a vacina contra influenza é segura e também é considerada uma das medidas mais eficazes na prevenção de complicações e casos graves de gripe”.

Segundo a presidente da Sbim (Sociedade Brasileira de Imunizações), Isabella Balallai, não é de hoje que o mercúrio envolvido a algum mito relacionado às vacinas. “O mito do mercúrio é antigo e volta e meia ele ressurge. Antigamente, havia o temor de que a presença dele na vacina do sarampo pudesse estar ligada a casos de autismo. Mas se provou que isso não tinha fundamentação.”

O INCQS (Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde), da Fiocruz, chegou a publicar já em 2010 esclarecimentos sobre boatos envolvendo o mercúrio e vacinas.

E uma das perguntas era se o mercúrio podia causar autismo. E a resposta: “Não. A concentração de mercúrio é de 25 microgramas por dose de 0,5ml e é usada para evitar crescimento de fungos ou bactérias, no caso de a vacina ser contaminada acidentalmente na hora da punção repetida no frasco multi-dose. Esse mesmo conservante é utilizado rotineiramente em outras vacinas, como na tetravalente indicada contra difteria, tétano, coqueluche, meningite e na tríplice viral, vacina contra caxumba, rubéola e sarampo.”

Isabella diz que a vacina da gripe é segura e que o mercúrio presente nela não é tóxico. “Vivemos num mundo monitorando por diversos níveis de vigilâncias sanitárias, agências de inspeção. Não se aprovaria uma vacina que pudesse causar mal à população. Seria um escândalo.”

Sobre o post que diz que a vacina da gripe contém veneno mortal, Isabella conta que aquele tipo nem chegou ao Brasil. “Foi distribuído no Canadá.”