Oficinas pré-simpósio discutem parto domiciliar e recepção humanizada ao recém-nascido

Por FABIANA FUTEMA

Cena do documentário 'O Renascimento do Parto' (Foto:  Carol Dias Fotografia/Divulgação)
Cena do documentário ‘O Renascimento do Parto’ (Foto: Carol Dias Fotografia/Divulgação)

As participantes do 2° Siaparto (Simpósio Internacional do Parto) já começaram a se reunir nesta segunda-feira em oficinas para discutir temas relacionados ao universo do parto e nascimento. O simpósio, que começa na quarta, será precedido de dois dias de oficinas.

Entre os temas abordados nesta segunda estão o parto domiciliar planejado e o pélvico _quando a criança fica sentada.

Numa das oficinas, a parteira inglesa Jane Evans apresentou técnicas para facilitar o nascimento de bebês no parto pélvico. “Não precisamos fazer muito. Deixar o bebê nascer e ajudar no que for preciso com as manobras ensinadas”, explicou Jane.

As parteiras Olivia Separavich e Tatianne Cavalcanti Frank falaram sobre as recomendações e legislações sobre o parto domiciliar planejado. “A OMS (Organização Mundial de Saúde) publicou, em 1996, nota reconhecendo o domicílio como local seguro para o parto, assim como a Figo (Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia), que diz que a mulher deve dar à luz no local onde se sente segura”, diz Tatianne.

Numa das oficinas desta terça, a obstetra Roxana Knobel abordará a questão do parto humanizado e em como transformá-lo em prática. Em outra, a pediatra Ana Paula Caldas Machado falará sobre a recepção humanizada ao recém-nascido. O Siaparto acontece até sábado na avenida Paulista.