Envolvimento do pai traz benefícios para a gestação da mulher, diz obstetra

Por FABIANA FUTEMA
Hélio segura Murilo horas depois do nascimento (Arquivo Pessoal
Hélio segura Murilo horas depois do nascimento (Arquivo Pessoal

O envolvimento e participação do pai com a gestação da mulher traz benefícios para toda a família. Segundo o obstetra Alberto Guimarães, entre os benefícios estão diminuição das cirurgias cesarianas e da necessidade de medicações para alívio da dor.

Guimarães, que lidera a equipe Parto Sem Medo, diz que pais participativos também podem colaborar para a redução do tempo de trabalho de parto e de casos de depressão pós-parto.

“Quando a gestante pode contar com o apoio incondicional do marido, ela se sente encorajada a percorrer o caminho da maternidade com mais confiança”, diz ele.

Em seu trabalho com parto humanizado, Guimarães diz ter verificado o aumento de homens interessados em participar ativamente da gravidez  de duas mulheres. “Ele está se transformando em um elemento-chave indispensável da equação pré-natal. Assim, não se considera apenas a mulher grávida, mas o casal grávido. O homem tem assumido uma importante função durante todo o processo.”

Apesar de tanto empenho, Guimarães diz que as mulheres ainda precisam ter paciência para de treinar seus companheiros nos cuidados com o recém-nascido, como banho, troca de fraldas.

O designer de móveis Hélio Miranda diz que a emoção de participar ativamente do nascimento do filho é indescritível. Foi assim com o nascimento de Murilo, em 2011, seu segundo filho.

“Já tinha tido a experiência de participar do parto do meu 1° filho Pedro, mas com a oportunidade de cortar o cordão umbilical do Murilo, senti duplamente a responsabilidade de ser pai. Foi um momento memorável.”

Hélio com os filhos Pedro, 7, e Murilo que hoje tem 3 anos (Arquivo Pessoal
Hélio com os filhos Pedro, 7, e Murilo que hoje tem 3 anos (Arquivo Pessoal