ONG denuncia Bayer por propaganda direcionada de Redoxitos para público infantil

Por FABIANA FUTEMA
redo
Reprodução da página da promoção conjunta Redoxitos + Divertidamente/Rprodução

O Instituto Alana denunciou a Bayer ao Procon-MT pelo direcionamento da propaganda do suplemento Redoxitos para o público infantil. Segundo o Conanda (Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente), “o direcionamento de publicidade e comunicação mercadológica à criança com a intenção de persuadi-la para o consumo de qualquer produto ou serviço” é uma prática abusiva.

Entre as irregularidades apontadas pelo Instituto Alana estão a criação do jogo ‘Missão Planeta C’ para o site da empresa e a venda de embalagens promocionais _compostas por pacotes do produtos e um copo do filme ‘Divertidamente’, que muda de cor e é decorado com personagens da animação.

“A estratégia de comunicação do Redoxitos viola a legislação brasileira que considera abusiva e ilegal a publicidade direcionada para o público infantil”, esclarece a advogada do Instituto Alana, Ekaterine Karageorgiadis A ONG diz ainda que esse copo informa que Redoxitos é um alimento, e não um suplemento vitamínico.

Em nota, a Bayer informa que “respeita rigorosamente a legislação e códigos de conduta aplicáveis em todas as suas atividades publicitárias e promocionais”.

Outro problema, segundo o Instituto Alana, é que a propaganda do produto passa a mensagem de que ele é uma forma de complementar as necessidades de vitamina C das crianças a partir de 4 anos, sem esclarecer que não pode ser comparado a frutas, legumes e vegetais.

Até a metade do ano, a empresa mantinha também uma versão modificada do conto infantil “Os três porquinhos” nos canais de TV infantis.

“A campanha do Redoxitos faz uma relação proposital entre o doce e a medicação com o apelo de ser mais fácil de ser ministrada em crianças”, conta Mariana Sá, do MILC (Movimento Infância Livre de Consumismo).

Na denúncia ao Procon-MT, o Alana e o MILC pedem que sejam tomadas medidas jurídicas para coibir essa prática comercial e que os danos já causados sejam reparados.

OUTRO LADO

Em nota, a empresa informa que Informamos, ainda não tomou “ciência de qualquer procedimento junto ao Procon do Estado do Mato Grosso, quanto à campanha publicitária em questão, e que portanto, não pode opinar a respeito”.

Diz ainda que Redoxitos não é um medicamento. “Trata-se de suplemento vitamínico e/ou mineral, […]sendo considerado alimento isento de registro sanitário.”

A Bayer informa que se mantém absolutamente “tranquila quanto à legalidade desta e demais campanhas publicitárias do produto REDOXITOS”, mas que “a animação intitulada ‘Os três Porquinhos’ não mais se encontra em veiculação desde junho de 2015.”