Campanha defende álcool zero na gravidez para evitar síndrome alcoólica fetal

Por FABIANA FUTEMA
Apresentadora Glória Vanique é a  madrinha da campanha deste ano (Divulgação)
Apresentadora Glória Vanique é a madrinha da campanha deste ano (Divulgação)

A campanha gravidez sem álcool promove no próximo dia 20 uma caminhada no Parque Villa-lobos, zona oeste de São Paulo, para alertar sobre os riscos da SAF (Síndrome Alcoólica Fetal). A 2ª edição do evento está marcada para começar às 10h.

Apoiada por várias entidades médicas, a campanha alerta que o consumo de um só gole de bebida alcoólica na gravidez pode acarretar problemas graves e irreversíveis para o bebê.

“Não há nenhuma comprovação de uma quantidade segura de bebida alcoólica que proteja a criança de qualquer risco. Neste caso, a gestante ou a mulher que pretende engravidar deve optar por tolerância zero à bebida alcoólica”, diz Conceição Aparecida de Mattos Ségre, coordenadora do grupo de prevenção dos efeitos do álcool na gestante, no feto e no recém-nascido da SPSP (Sociedade de Pediatria de São Paulo).

Segundo ela, o “melhor caminho é realmente a prevenção”.

A madrinha da campanha neste ano é a apresentadora da Globo Vanique, grávida de 7 meses de seu primeiro filho, Benjamin.

Ela diz que suspendeu o consumo de bebidas alcoólicas desde que se descobriu grávida.

“Há quem diga que sou radical, que uma tacinha de vinho não faz mal. Mas, pesquisando sobre o assunto, ouvi de muitos médicos que o feto demora duas vezes mais pra eliminar o álcool do que a mãe. […]. Além disso, existem sequelas que ainda são estudadas, como parto prematuro e problemas na formação do bebê”.

As opiniões sobre o efeito do álcool na gravidez divergem muito. Economista americana defende em livro que beber um drinque por dia não faz mal ao feto.

Sobre a SAF

A Síndrome Alcoólica Fetal (SAF) apresenta diversas manifestações, desde malformações congênitas faciais, neurológicas, cardíacas e renais, mas as alterações comportamentais estão sempre presentes.

“Bebês com SAF têm alterações bastantes características na face, as chamadas dismorfias faciais. Além disso, faz parte do quadro o baixo peso ao nascer devido à restrição de crescimento intrauterino e o comprometimento do sistema nervoso central. Essas são as características básicas para o diagnóstico no período neonatal”, diz Conceição.

Atriz Deborah Secco tirou foto apoiando a campanha (Divulgação)
Atriz Deborah Secco tirou foto apoiando a campanha (Divulgação)