Não force seu filho a gostar do Papai Noel; deixe a aproximação acontecer naturalmente

Por FABIANA FUTEMA

Você sonhava com a fotografia da família reunida e feliz ao lado do Papai Noel. Pensava em distribuir essa imagem para os parentes e amigos mais próximos. Só não contava com o pavor que seu filho teria do bom velhinho.

Segundo as terapeutas Renata Soifer Kraiser e Thaís Moraes, é natural que aconteça esse estranhamento e que a criança sinta medo.

“O medo de algo estranho é absolutamente normal. A figura de um homem todo vestido de vermelho, gorro vermelho, botas pretas e uma enorme barba branca causa estranheza nos pequenos, afinal não é comum cruzarmos com alguém assim, principalmente no Brasil”, afirma Renata.

As terapeutas dizem que os pais não devem forçar a aproximação entre a criança e o Papai Noel. Se a criança não quiser tirar foto com ele, não tira. A dica é deixar que essa aproximação aconteça aos poucos, naturalmente.

“A criança pode observar o Papai Noel de longe no primeiro dia e ir se aproximando até uma distância em que se sinta confortável. Ficar perto de bonecos antes de chegar perto do Papai Noel real também costuma suavizar o impacto”, afirma Renata.

Segundo Thaís, os pais devem respeitar essa etapa do desenvolvimento infantil e nunca forçar um encontro ou a foto. “Devem esperar que o próprio amadurecimento traga os encantos e fantasias que rondam a figura do bom velhinho. Enquanto isso, estimulem a imaginação e fantasia.”

Se você quiser muito que seu filho perca o medo,  converse você com o Papai Noel. “Você pode mostrar que o Papai Noel é inofensivo indo até ele, dando um abraço e acenando de longe. Deixe a criança ir elaborando a ideia”, afirma Renata.

Para diminuir o medo que a criança sente do Papai Noel, Thaís recomenda que os pais ajudem-na a se familiarizar com a figura dele. “A dica é estimular a imaginação do filho, contar histórias de Papai Noel, mostrar imagens, filmes, desenhos. Explique quem é o Papai Noel e o que ele faz. Aos poucos, esse tema vai se tornando mais familiar para a criança.”

Mas apesar de tanto esforço, pode ser que a criança não perca o medo neste primeiro Natal. Nem no segundo ou no terceiro. “Pode levar algumas horas, dias ou alguns Natais. Mas com o passar do tempo o medo deve desaparecer”, afirma Renata.

“A própria imagem do velhinho, barbudo, vermelho, mascarado pode ser suficiente para disparar o medo. São figuras estranhas, não se parecem com ninguém que elas estão acostumadas a ver”, diz Thaís.

MEDO DO DESCONHECIDO

A terapeuta Thais Moraes diz que é comum que as crianças sintam esse tipo de medo a partir de 1 ano e meio. E não é só de Papai Noel. A criança também pode não se sentir confortável perto de nenhum tipo de personagem, como palhaços ou bonecos da Peppa Pig.

Segundo ela, esse temor deve durar até os 3 anos. “É o medo do desconhecido, daquilo com o qual a criança não está familiarizada ou que não faz parte da sua rotina. Afinal, não é todo dia que ela vê Papai Noel nas portas de lojas e shoppings espalhados por aí”, diz Thaís.

A terapeuta afirma que o medo deve desaparecer com o tempo, a partir do amadurecimento e entendimento daquela situação que antes era estranha.

“Dos 3 aos 5 anos de idade, o medo toma outra cara e a criança já passa a diferenciar personagens que a divertem ou são bons daqueles que a assustam, como monstros e fantasmas. É a fase da imaginação fértil, que aumenta à medida em que o cérebro se desenvolve”, diz ela.