Procon-RJ abre investigação contra hospital que impediu pai de ver parto da filha

Por FABIANA FUTEMA

gab

O Procon-RJ abriu investigação contra o hospital Sociedade Portuguesa de Beneficência de Campos, que impediu o músico Gabriel Alves, 22, de acompanhar o parto da filha. O hospital terá 15 dias, a partir da notificação, para se defender.

Para o Procon-RJ, a maternidade feriu a dignidade do pai ao privá-lo do momento único do parto; da mãe, negar o direito ao acompanhante em um momento de fragilidade física e emocional; e do bebê, que não pôde ter contato com o pai no instante do nascimento.

Gabriel aparece em vídeo publicado nas redes sociais argumentando com uma das médicas do hospital que é seu direito acompanhar o parto da mulher. A funcionária diz conhecer a lei, mas que ela não pode ser cumprida por falta de estrutura do hospital e ordem da direção.

Em entrevista ao Maternar, Gabriel afirma que foi constrangido e humilhado por essa funcionária, que disse que estava ‘apurrinhando’ o hospital de madrugada.

Depois de fazer B.O. e levar a polícia para a maternidade, Gabriel finalmente pode ficar com a mulher, que já tinha dado à luz uma menina, a Safira.

Nessa hora, segundo ele, a médica acordou todas as mulheres que estavam internadas em aos berros disse que elas seriam constrangidas pela presença de Gabriel no alojamento. E que se quisessem que virasse bagunça, era só ligar para seus maridos e pedir que também exigissem o direito à lei do acompanhante.

Procurado pela reportagem, o hospital não se manifestou na semana passada, informando apenas que tomaria ‘as devidas providências’. Nesta segunda, o telefone da direção não atendeu. Por e-mail, a ouvidoria informou que minha pergunta seria repassada para “a direção clinica desta unidade, onde certamente será oferecido resposta utilizando o canal da ouvidoria ou da própria direção”.

Na investigação, o Procon quer saber se há mesmo restrição à presença de acompanhantes durante o parto.

A Lei do Acompanhante, de abril de 2005, garante a gestante o direito de ter a companhia de alguém de sua escolha durante todo o período de pré-parto, parto e pós-parto.

Leia também:

Pai ainda é barrado no pré-parto, parto e pós-parto, diz estudo

Documentário cobra o cumprimento da lei do acompanhante