Fotógrafa tem perfil bloqueado no Facebook após publicar imagens de parto

Por FABIANA FUTEMA
Foto do parto de Sara teve mais de 200 mil compartilhamentos
Foto do parto de Sara teve mais de 200 mil compartilhamentos (Foto: Elis Freitas Fotografias)

A fotógrafa Elis Freitas se assustou ao descobrir nesta quinta-feira que seu perfil no Facebook havia sido bloqueado. O motivo é que uma de suas postagens, a que mostrava uma série de partos, foi denunciada por internautas que consideraram o conteúdo impróprio.

Elis recebeu uma mensagem informando que o Facebook restringe a exposição de nudez. “Algumas descrições de atos sexuais também podem ser removidas. As restrições relativas à exibição de nudez e de atividades sexual também se estendem aos conteúdos digitais, exceto quando a publicação do conteúdo se der por motivos educativos, humorísticos ou satíricos.”

E o que as imagens de Elis mostravam? Mulheres dando à luz em partos domiciliares. Não estavam nuas, pois usavam tops.

Não havia atividade sexual nem nudez nas fotos. Partes do corpo apareciam, afinal são fotos de parto natural.

O Brasil é um país em que a taxa de cesárea é considerada epidêmica, beirando os 80% na rede privada. A OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda que esse índice não supere os 15%. O Ministério da Saúde vem adotando medidas para reduzir esse percentual. Não seria educativo mostrar como funcionam os partos normais?

No post denunciado, Elis explicava que era normal que não aparecesse muito sangue na água do parto. É que a foto de um dos partos que publicou fez muito sucesso, teve 192 mil compartilhamentos.

E muitas pessoas perguntaram a ela como a água em que o bebê nasceu estava tão limpinha. Chegaram a questionar se a foto era real e não uma montagem. Aí ela publicou outros partos em que a água também estava clara, sem muito sangue. “Cada parto é único”, escreveu ela.

A fotógrafa diz não entender as regras de bloqueio por denúncia. “Eu mesma já denunciei perfis com conteúdo violento ou agressivos e tive a denúncia analisada como não se enquadrando nas regras de bloqueio. A denúncia foi negada. E a minha, que não tem nada, teve a denúncia acatada. Achei muito estranho.”

Essa não é a primeira vez que o Facebook bloqueia perfis de fotógrafas de parto. Em 2015, o perfil da fotógrafa Line Silva foi bloqueado por denúncia de violência explícita.

Para protestar contra a medida, um grupo de ativistas lançou à época as campanhas #partonãoéobsceno e #placentaço, que reuniram fotos de parto e placentas nas redes sociais.

A fotógrafa Melissa Jean também foi banida no Instagram em 2015 após publicar uma imagem de amamentação dupla: do marido e do filho.

O blog ainda não localizou o Facebook para comentar sobre o bloqueio do perfil de Elis.

X