Após sucesso na TV, Mundo Bita ganha espaço com licenciamentos e shows

Por FABIANA FUTEMA
Após livro digital e aplicativo, Mundo Bita faz sucesso com clipes, brinquedos e shows (Reprodução/YouTube)
Após livro digital e aplicativo, Mundo Bita faz sucesso com clipes, brinquedos e shows (Reprodução/YouTube)

Seu filho gosta de cantarolar músicas de um senhor de cartola preta e bigode laranja? Então ele já foi conquistado pelos personagens do Mundo Bita, uma animação criada por uma empresa de tecnologia de Pernambuco.

Os clipes musicais do Mundo Bita são veiculados na Discovery Kids, Netflix e TV Brasil, além do canal próprio no YouTube.

Mas as crianças já encontram a marca em brinquedos e materiais escolares licenciados.

Segundo João Henrique Souza, 37, um dos sócios da Mr Plot, empresa que administra o Mundo Bita, os licenciamentos não são feitos em larga escala, pois existe a preocupação com o consumo responsável. “A crítica ao consumo desordenado está no DNA da nossa marca.”

Com três DVDs, o Mundo Bita decidiu entrar no mercado de espetáculos em 2015 com shows e peça teatrais. Neste domingo, haverá três sessões do Show do Bita no Teatro Sérgio Cardoso, em São Paulo.

O próximo passo dos criadores do Bita é lançar uma série para a TV. “Estamos na fase de pesquisa. A série só deve acontecer daqui 1 ano e meio, 2 anos. Leva tempo produzir uma série”, diz João Henrique Souza, 37, um dos sócios da Mr Plot, empresa que administra o Mundo Bita.

Diferentemente da Galinha Pintadinha, que faz sucesso com músicas de domínio público, o Mundo Bita só usa conteúdo autoral. “Em um primeiro momento, os pais não se ligam muito na música, pois não são aquelas de domínio público, que eles já conhecem. Mas como os filhos passam a cantar, eles acabam gostando também”, diz João Henrique.

E como foi que o Mundo Bita se transformou nesse sucesso? O personagem de chapéu e bigode não foi criado inicialmente para ser protagonista de clipes musicais. Chaps Melo, um dos sócios da Mr Plot, procurava um tema para decorar o quarto da primeira filha, que estava para nascer.

“Ele não achava nada legal e acabou fazendo uma decoração personalizada. Um ano depois meu filho nasceu e começamos a conversar sobre a necessidade de produzir conteúdo de qualidade para crianças”, diz João Henrique. “Foi aí que aproveitamos o homem de chapéu, que se transformou no Bita, em livros digitais.”

O Bita apareceu pela primeira vez em 2011 dentro de e-books e aplicativos infantis. “Em 2012, com dois livros digitais e aplicativos, percebemos que o negócio não estava se sustentando, não dava retorno”, conta João Henrique. “As pessoas não queriam pagar para baixar o aplicativo, elas querem baixar de graça.”

Foi em 2012 que os sócios fizeram uma última tentativa de recuperar o investimento e lançaram um aplicativo que tinha um clipe musical com Bita no final. “E foi um sucesso, identificamos que o clipe musical era nosso grande produto. Colocamos no YouTube e foi um sucesso”, diz João Henrique.

O ano da virada foi 2013, quando a empresa fechou parcerias com a Sony Music e Discovery Kids, que permitiram que a expansão da distribuição do conteúdo do Mundo Bita. Com o sucesso, a animação ganhou novos personagens: Lila, Tito e Dan.

Para João Henrique, o Mundo Bita é consumido hoje tanto por crianças quanto por adultos. “Como nosso conteúdo é para a primeira infância, os pais participam muito, vão aos shows, escutam as músicas em casa. Essa interação é muito legal.”

E o que esperar agora da marca? Enquanto a série de TV não chega, a empresa se compromete a lançar um álbum musical por ano. O próximo será lançado no Dia das Crianças.

SHOW

Além do show de São Paulo, o Bita se apresenta no dia 20 em Fortaleza.

Em São Paulo, as sessões acontecem em três horários: 11h, 14h e 16h. Os ingressos custam de R$ 30 a R$ 80 e crianças de até 1 ano e 11 meses no colo não pagam.

X