Deixar ou não o pipi em paz? Eis a questão

Por FABIANA FUTEMA
Campanha "Deixe Meu Pipi Em Paz' (Reprodução/Facebook)
Campanha “Deixe Meu Pipi Em Paz’ (Reprodução/Facebook)

Uma preocupação ronda a cabeça de pais de meninos: operar ou não operar a fimose? É bom saber que a maioria dos garotos nasce com fimose congênita _estreitamento de pele que cobre a cabeça do pênis.

Uenis Tannuri, chefe do Serviço de Cirurgia Pediátrica do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas de SP, diz que essa pele pode se abrir naturalmente. “Isso acontece geralmente até a criança completar 1 ano.”

Segundo ele, não é preciso que as mães fiquem fazendo massagens ou passando pomada para abrir a pele do pênis do menino. “Essa pomada que as mães costumam usar não resolve. Se abrir com a pomada é porque abriria sozinho, sem o medicamento.”

Tannuri afirma que os pais devem procurar um pediatra para avaliar a fimose após o 1° ano do filho. “Quando é muito fechado, precisa operar.”

Segundo ele, em 20% dos casos é preciso resolver o problema com a postectomia _cirurgia para retirada do prepúcio.

Tannuri defende que os pais não adiem muito a decisão de realizar a cirurgia. “Quando a criança é mais nova, é mais fácil, pois a cirurgia é feita com anestesia local. Coloca uma argolinha de plástico e cai em uma semana. Com criança mais velha, o pós-operatório é mais chato. Com mais de 1 ano, vai usar anestesia inalatória e compressa no local.”

Já a pediatra Kelly Oliveira, do site Pediatria Descomplicada, lembra que os pais não podem descuidar da limpeza do pênis com fimose. “É preciso abrir e limpara para que não se acumule sujeira. Sempre recomendo que exponha a glande sem força e sem machucar.”

Para ela, os pais podem esperar até a criança completar 3 anos para recorrer a uma cirurgia. “Com pomada, se não for muito fechado, dá para abrir até essa idade.”

Por que os médicos indicam a cirurgia ainda nessa fase da primeira infância? “Porque a própria criança, quando fica mais velha, começa a ficar constrangida” diz Kelly. Pode acontecer de a criança com fimose sentir dor quando tiver ereção.

Com o nome ‘Deixe Meu Pipi Em Paz’, a pediatra Vania Gato Medeiros liderou uma campanha em 2014 para alertar os pais a não forçarem a abertura da pele.

“Recebo frequentemente e-mails de mães com bebês com traumas na glande porque tentaram expor a glande. Às vezes, essas mães são orientadas por médicos ou pela família a ir forçando de leve ou fazer uma massagem. Só que a fimose é da faixa etária e esse tipo de manobra pode gerar a parafimose, que é quando você expõe a glande, mas a pele não volta para o lugar de antes, ocorrendo um estrangulamento da cabeça do pênis. É uma urgência cirúrgica”, diz Vânia.

Segundo ela, é normal a criança ter fimose até 1 ano. “A cirurgia é indicada somente em casos de infecção urinária de repetição, infecções locais recorrentes e obstrução. Muitas famílias optam por realizar a circuncisão por motivos religiosos/culturais. Mas não é obrigatória para todos os meninos.”

Para Vânia, tanto o tratamento tópico com pomada quanto a cirurgia devem ser realizados após o desfralde _que costuma acontecer até os 3 anos.

Apesar de pequenas diferenças de discurso, em uma coisa os médicos concordam: procure um cirurgião pediátrico para tirar dúvidas sobre a fimose ou se o bebê tiver dificuldade para urinar.