Mãe brasileira faz apelo para retomar guarda dos filhos no México

Por FABIANA FUTEMA
Marina e os filhos Olívia e Davi (Reprodução/Facebook)
Marina e os filhos Olívia e Davi (Reprodução/Facebook)

A brasileira Marina de Menezes, que mora em Tijuana (México), publicou um vídeo na semana passada no qual ela pede apoio para recuperar a guarda dos filhos Olívia, 3, e Davi, de 6 anos. As crianças, segundo ela, foram sequestradas pelo pai e foram levadas para a Cidade do México.

“Tenho dois filhos, que foram sequestrados depois que o denunciei por violência doméstica. A violência na minha casa acontecia a qualquer dia e em qualquer lugar, diante das crianças. Eu sofria de violência física psicológica e emocional”, afirma ela no vídeo, que já teve mais de 232 mil visualizações e 6.000 compartilhamentos.

Ela critica o sistema judiciário mexicano, que não atende seus pedidos de recuperação da guarda dos filhos.

“Há 5 meses e meio venho lutando para que a juíza me devolva as crianças. […] Cansei de esperar calada vendo toda essa injustiça acontecer. Quase meio ano sem ver meus filhos e essa é a pior dor que uma mãe pode sentir”, afirma ela.

Segundo Marina, o consulado e a embaixada brasileira também tentaram ajudá-la. “Mas a juíza também ignora os pedidos deles.”

No vídeo, ela diz que Davi é uma criança superdotada e introvertida. “Disseram-me que ele está mais calado e começou a se machucar, morder os dedos e a boca até sangrar e a puxar os cabelos.”

Ao Maternar, Marina diz que a família se mudou para Tijuana em 2014 para apoiar a educação de Davi. “Na Cidade do México não havia nem apoio nem ajuda para a aceleração de série.”

E relação ao julgamento do caso, Marina afirma que recebeu na sexta documentos avisando-a de que haverá uma reunião com as crianças no dia 31.

“As crianças serão ouvidas depois de 6 meses longe da mãe e sendo manipuladas pelo pai a a juíza vai decidir sobre a guarda baseada no que escutar delas. Guarda essa que já foi decidida como sendo compartilhada pelo juiz federal”, afirma.

Marina questiona o julgamento que está sendo conduzido na cidade do México. “A juíza da Cidade do México não é competente para julgar o caso, pois o domicílio conjugal era Tijuana.”

Ela entrou com outro processo em Tijuana e conseguiu uma espécie de medida cautelar.

O ex-marido mexicano não foi localizado para comentar as denúncias.

Em nota, o Itamaraty diz que o” Consulado-Geral do Brasil no México vem acompanhando o caso desde maio”.

“Por força de reiterados apelos do Consulado às instâncias da justiça mexicana envolvidas no processo, a juíza responsável pelo caso autorizou que Marina realize visitas, desacompanhada do marido, em sede do juizado de menores, na Cidade do México”, informa o Itamaraty.

Marina afirma que as visitas não ocorreram. “Duas visitas foram marcadas sim, mas não aconteceram. A primeira porque a juíza não agendou no centro familiar. E  a segunda porque a psicóloga e intermediária não foram.”

https://www.facebook.com/marina.demenezes/videos/1371757456186092/