Saber dia da ovulação ajuda ‘tentantes’, mas não é suficiente para garantir sucesso da concepção

Por FABIANA FUTEMA
Patrícia Amorim, do blog Troando Fraldas, foi tentante por sete anos (Arquivo Pessoal)
Patrícia Amorim, do blog Troando Fraldas, foi tentante por sete anos (Arquivo Pessoal)

Mulheres que estão tentando engravidar dispõem de uma série de recursos para tentar descobrir a data aproximada da ovulação e, dessa forma, aumentar as chances de concepção. O mais antigo deles é a tabelinha, que antigamente era calculada à mão. Agora, basta uma busca no Google para localizar páginas que calculam seu período fértil de acordo com a data da última menstruação.

O presidente da Febrasgo (federação brasileira de obstetrícia), César Fernandes, diz que existem indícios que o corpo dá quando está ovulando. Entre eles estão um pouco de dor/desconforto, sangramento discreto no meio do ciclo e aumento do muco cervical.

“Algumas mulheres sentem essa dor, que acontece quando há a ruptura do folículo para expulsão do óvulo. Elas chamam de dor ovulatória”, afirma o obstetra.

Esses sintomas, entretanto, têm baixo índice de acerto e funcionam mais para mulheres com ciclo menstrual regular de 28 dias.

Uma forma mais precisa de identificar o período ovulatório é por meio da realização de exames de ultrassom, que mostram o tamanho do folículo. “Mas não é um método prático para as mulheres fazerem no dia a dia. As que fazem isso costumam estar em processo de fertilização assistida”, diz Fernandes.

Segundo ele, outra forma precisa de checar se a mulher está no período fértil é por meio da medição dos níveis de LH (hormônio luteinizante) no sangue ou urina. “Se eu identificar no sangue ou na urina esse aumento do LH, eu tenho um indício muito confiável de que a ovulação está prestes a ocorrer nas próximas horas.”

Mas é fácil identificar esse aumento do LH? Já existem kits prontos à venda nas farmácias que mostram se a mulher está perto de ovular ou não. A Clearblue lançou em agosto o primeiro teste de ovulação digital.

O diferencial dele é a forma de informar se há um pico de LH na urina: mostra uma carinha sorrindo se a mulher estiver em seu período fértil ou um círculo vazio se não estiver ovulando.

“Quando identifica esse pico de LH é recomendado que a mulher tenha relação nas próximas 48 horas para aumentar sua chance de concepção”, afirma o médico.

Fernandes diz que saber com precisão o período da ovulação ajuda bastante na tentativa de engravidar, mas não é suficiente para garantir a concepção.

“Não pode se guiar apenas pela ovulação. Existem outros componentes relacionados à fertilidade que valem a pena ser avaliados pelo médico. É recomendável que procure seu ginecologista para identificar se ela ou seu parceiro têm algum problema de impeça a gravidez”, afirma ele.

A blogueira e youtuber Patrícia Amorim, 36, do blog Trocando Fraldas, foi tentante durante quase sete anos. Hoje ela é mãe de Joana, 14, Eduardo, 9, e Melissa, de 5 anos.

“Entre um filho e outro tive problemas para engravidar. A espera era terrível, mas consegui realizar meu sonho de ser mãe de uma família numerosa”, disse.

Segundo ela, a palavra tentante é usada para descrever as mulheres que tentam engravidar. “Por mais que todos pensem que para engravidar basta manter relações sexuais, não é bem assim para algumas mulheres e alguns casais. Ha organismos que levam mais tempo para o processo acontecer.”

Para Patrícia, saber a data da ovulação é imprescindível para mulheres que estão tentando engravidar. “A mulher que conhece seu corpo tem maior facilidade para detectar sinais que o seu organismo está pronto para receber o espermatozoide e fecundar seu óvulo.”

Mas ela afirma que só essa informação não vai garantir a concepção.  “A gravidez pode não acontecer por diversos motivos,  como gametas (óvulo e espermatozoides) com alguma deficiência ou problemas para fixar no endométrio.”

A blogueira deu alguns conselhos para as mulheres que estão tentando engravidar. O primeiro deles é manter a calma e o controle das emoções. “É muito importante manter a calma e os exames todos em dia. Nada de sair fazendo loucuras, tem que ver se o seu corpo está apto a receber a gravidez de forma saudável e sem riscos. “

Outro conselho é que a tentante conheça seu corpo e observe seu ciclo menstrual. “Saber se você tem mucos do período fértil, se sente dores da ovulação, quantos dias tem seu ciclo, se é regular ou não, tudo isso influencia para ajudar a engravidar.”

Por fim, Patrícia indica que a a tentante tenha o acompanhamento de um bom médico. “Isso faz muita diferença para o corpo, para a saúde e para o psicológico da tentante.”