Peça conta história de menina viciada em celular; veja outras estreias infantis

Por FABIANA FUTEMA

image001 (2)

Várias peças infantis entram em cartaz neste sábado, 1º de outubro. Esse é o caso de Bug, que conta a história de Serafina. Aos 12 anos, a menina não quer saber de desligar o celular.

Ela dorme, acorda e almoça mexendo no aparelho, mesmo com a mãe alertando sobre os riscos do uso excessivo.

Até que Serafina um dia é sugada para dentro do telefone e deve correr contra o tempo para se libertar antes que a bateria acabe e ela fique presa para sempre no mundo de Vício, um vilão que torna escravos todos os “seres gigantes que habitam o mundo lá de fora”.

Para ajudá-la a encontrar a saída, Serafina conta com a ajuda da Bateria, uma espécie de oráculo que a orienta a seguir o “Circuito de Luzes Amarelas”, onde finalmente a menina encontrará os Três Ícones que saberão lhe indicar o caminho correto para sair de dentro do celular.

Onde: Teatro Espaço Promon (Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 1830 – Itaim Bibi), sábados e domingos, 16h, ingressos: R$20 (inteira) e R$10 (meia)

Veja abaixo outras peças que entram ou retornam aos palcos neste sábado:

A Bela e a Fera
Dirigida por Billy Bond, peça conta a história de Bela, jovem inteligente que vive em uma pequena aldeia e é considerada estranha pelos moradores locais. Seu pai, Marcel, um ex-comerciante que perdeu toda sua fortuna, se converte em um inventor considerado louco por todos da cidade. Ela é cortejada por Gastón, desastrado galã que pretende casar com ela. Mesmo sendo considerado bonito por todas as jovens do lugarejo, Bela não o suporta, pois vê nele uma pessoa primitiva e horrorosa. Quando seu pai é ameaçado covardemente de perder sua casa para Gastón, ela foge para impedi-lo de alcançar seu propósito.
Onde: Teatro Bradesco (Rua Palestra Itália, 500 / 3º piso – Bourbon Shopping São Paulo); quando: sábado, às 15h, e domingo, às 11h e às 15h, de 1 a 23 de outubro; ingressos: de R$ 40 a R$ 120

bela

Fim?
Em um cenário de destruição, duas baratas festejam o fim do mundo, pois agora o mundo é só delas. Mas, de repente, se deparam com dois seres atrapalhados e esquisitos que acreditam que poderão plantar a semente do novo recomeço: dois palhaços. Irritadas com a presença destes seres, elas passam a executar planos mirabolantes e colocar divertidas armadilhas para que assim eles entendam que não tem mais jeito, que o mundo agora é das baratas. De forma leve e divertida, estes palhaços irão percorrer cenários de guerras, desastres, catástrofes provocadas pelos seres humanos e convidarão as crianças para encontrar uma forma de reavivar tudo o que foi perdido.
Onde: Teatro Alfa (Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722 – Santo Amaro); quando: sábados e domingos, às 17h30, ingressos: R$ 30 (inteira para adultos) e R$15 (meia para crianças, estudantes e maiores de 60 anos)

Grupo Esparrama apresenta a peça "Fim" (Crédito: Sissy Eiko)
Grupo Esparrama apresenta a peça “Fim” (Crédito: Sissy Eiko)

Língua de Gato – Miau por Aí
Grupo formado por Ricardo Côrte Real, Ruthe London e Virgínia Rietmann apresenta espetáculo musical infantil onde os gatos são as estrelas. O trio encarna os personagens Gato de Gravata (Ricardo), Gata Cor de Rosa (Virgínia) e Gata Esperta (Ruthe) e interage com as crianças. As músicas são intercaladas por esquetes de textos breves e informais que despertam a curiosidade das crianças.
Onde: Espaço Promon (Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1830), quando: única apresentação dia 1º, às 12h, ingressos: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia)

Atores da peça 'Lingua de Gato' (Dvulgação)
Atores da peça ‘Lingua de Gato’ (Dvulgação)

Fósforos, Nuvens e Passarinhos
A peça itinerante conta a história de três crianças com idades próximas, porém de lugares e épocas diferentes. Na trama, passado, presente e futuro se embaralham na tentativa de mostrar os conflitos, desejos e angústias inerentes ao universo infantil, em qualquer tempo ou lugar. O que une as três narrativas é o fato de que as histórias se passam na véspera do ano novo, época em que as esperanças se renovam e poderão conduzir esses personagens para a realização de sonho comum a todos: a liberdade. A dramaturgia colaborativa é baseada nos contos O Menino das Capas de Chuva, de João Anzanello Carrascoza (texto inédito e escrito especialmente para o grupo), A Pequena Vendedora de Fósforos, de Hans Christian Andersen, e a saga do menino-passarinho, um fato que aconteceu no bairro de Higienópolis.
Onde: Casa Tombada, na Rua Ministro Godoi, 109, em Perdizes; quando: domingos, às 16h, até 14 de novembro; quanto: grátis

Cena da peça itinerante 'Fósforos, Nuvens e Passarinhos' (Foto: Arô Ribeiro)
Cena da peça itinerante ‘Fósforos, Nuvens e Passarinhos’ (Foto: Arô Ribeiro)

Operilda na Orquestra Amazônica
Musical conta a história de Operilda, uma bruxinha engraçada, interpretada pela atriz e autora Andréa Bassitt. Apaixonada pelo Brasil, ela tem uma missão de contar a história da música erudita brasileira para as crianças em apenas uma hora. Se conseguir, vai ganhar uma orquestra completa só para ela. Para isso, sua tia Opereta lhe dá uma camerata de seis músicos eruditos e Livrildo, um livro mágico que vai ajudá-la nessa jornada.
Onde: Al. Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos, quando: de 1 a 16 de outubro, sábados e domingos, às 15h; ingressos: sábados e domingos, às 15h

operila
Cartaz da peça Operilda (Divulgação)