Câmara de SP aprova lei que libera entrada de doula em hospitais e maternidades

Por FABIANA FUTEMA
A doula Maiana Kokila ajuda a fotógrafa Ludy Siqueira em seu trabalho de parto (Arquivo Pessoal)
Em Salvador, a doula Maiana Kokila ajuda a fotógrafa Ludy Siqueira em seu trabalho de parto (Arquivo Pessoal)

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou nesta quarta-feira (7), em segunda votação, projeto de lei que determina que hospitais e maternidades, públicos ou privados, passam a ser obrigados a permitir a presença das doulas sempre que solicitadas pelas parturientes.

De acordo com o texto aprovado, as doulas poderão acompanhar as grávidas durante o período de trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, bem como nas consultas e exames de pré-natal.

Doula é a profissional encarregada de dar suporte físico e emocional para a grávida ou puérpera.

Ela não realiza nenhum tipo de intervenção invasiva nem substitui a presença do pai ou outro acompanhante. Existe uma lei determinando que toda grávida tem direito a um acompanhante, seja o pai ou outra pessoa de sua confiança, na sala de parto.

O projeto aprovado na quarta vai agora para sanção do prefeito de São Paulo.

“DOULA a quem doer, o parto é da MULHER e não do médico 🙂 Acabamos de votar em segunda o nosso projeto de lei das doulas, agora vai pra sanção do prefeito. Viva a luta do parto humanizado!”, escreveu a vereadora Juliana Cardoso (PT-SP), autora do projeto.